A Cruz o não uso da cruz em templos evangélico não é uma questão doutrinária, mas uma questão histórica.

imageOs missionários protestantes chegaram ao Brasil no período imperial, em que a Igreja Católica Romana era a religião oficial do país. Os evangélicos foram proibidos de construírem templos ou usar símbolos que caracterizassem o seu local de culto como igreja. Veja o que declarava a Constituição Política do Império do Brasil (de 25 de março de 1824), art. 5º: “A Religião Católica Apostólica Romana continuará a ser a religião do Império. Todas as outras religiões serão permitidas com seu culto doméstico ou particular, em casas para isso destinadas, sem forma alguma exterior de templo”.

"Na sua carne desfez a inimizade, isto é, a lei dos mandamentos, que consistia em ordenanças, para criar em si mesmo dos dois um novo homem, fazendo a paz,
E pela cruz reconciliar ambos com Deus em um corpo, matando com ela as inimizades."
Efésios 2:15,16

Isso acabou gerando uma “tradição” inconsciente de os templos evangélicos não terem arquitetura característica e nem simbologia. Mas não significa que isso não exista ou não se pratique. Assim que passou esse período, algumas denominações construíram templos com arquitetura típica (Catedrais) e fazendo uso de cruzes, altares, cores litúrgicas e outros símbolos cristãos.
Alguns grupos específicos têm uma interpretação teológica da cruz como símbolo de maldição, o que os faz rejeitar tal símbolo. Isso não é uma interpretação unânime entre os evangélicos, mas, de alguns grupos.

Não á mau nenhum em usar a cruz, desde que não seja para adoração ou devoção, pois o mesmo Jesus afirmou que devemos adorar somente o Pai.

Use a cruz para identificar sua fé, revelar que aquele que nela morreu hoje mora em teu coração, triunfou sobre a morte e deixou cravado na cruz os nossos pecados, nossas enfermidades... O castigo que nos traz a paz estava sobre Ele e pela suas pisaduras fomos sarados.

Se você tem aversão ao uso da cruz aponto de crer que é pecado. Ou, “Cruz não é coisa de crente”! Pense nisso, toda e qualquer denominação evangélica espalhada por qualquer parte do mundo usam a cruz em seus templos, é obvio que cruz “vazia” Jesus não esta nela ele ressuscitou, por isso ela esta vazia, pois, representa a redenção, o perdão dos nossos pecados e a vitória do nosso Senhor sobre Satanás.
Por tanto, ninguém pode generalizar afirmando: “Evangélico não usa cruz”.

Caro didílico, se você prefere continuar obedecendo a uma lei do Império imposta pela Igreja Católica Apostólica Romana, aliás como muitas outras coisas que fazemos, e nos faz mais católicos do que imaginamos fique a vontade...Nós da Igreja Dicipular da Ponte escolhemos a Cruz! Símbolo de nossa redenção, do perdão de nossos pecados e a vitória do nosso salvador Jesus sobre Satanás.

A cruz, desde os primórdios, foi o símbolo maior do cristianismo; ainda que considerada, em alguns momentos, negativamente, ou seja, como sinônimo de maldição. Ainda durante o primeiro século, a cruz se firmou como símbolo da fé no crucificado – Jesus.

No Brasil, porém, a coisa não se deu de maneira tão harmonioso. Segundo o historiador R. J. Sturz, o evangelho entrou na América Latina, e principalmente no Brasil, de maneira lenta e conturbada. Depois de algumas tentativas frustradas, os primeiros evangélicos conseguiram autorização para erguerem seus templos nas terras de santa cruz (comandada religiosamente pelo catolicismo romano). A permissão veio por meio de um acordo firmado entre Portugal e Inglaterra.

O historiador conta que “uma das cláusulas do tratado comercial, assinado com a Inglaterra em 1810, foi que Portugal permitiria a construção de casas de adoração para os estrangeiros, contanto que não tivessem a aparência de igrejas. O uso da cruz na parte exterior dos prédios foi expressamente proibido”, e completa lembrando que “um ponto interessante a ser notado na história é que muitos evangélicos no Brasil continuam inflexivelmente opostos ao uso da cruz em seus templos”.

Assim, o autor mostra que o não uso da cruz em templos evangélico não é uma questão doutrinária, mas uma questão histórica.

Os discípulos de Jesus estão usando mais símbolos judaicos do que cristãos.

Faça um teste: vá a uma loja evangélica e pergunte por uma cruz ou peixe (símbolos do cristianismo) você não encontrará, mas se perguntar pela Arca da Aliança (mesmo que representada incorretamente) você encontrará desde miniaturas até réplicas do tamanho real. Em lojas evangélicas você encontra outras coisas como a Bandeira de Israel, o candelabro de velas judaico e até uma corneta usada em rituais judaicos, mas quando pedimos o símbolo de nosso salvador somos até olhados com um ar de desconfiança e julgamento. O que está acontecendo com a comunidade evangélica/protestante nestes pais; estamos trocando a Cruz de Cristo por símbolos judaicos do Antigo testamento por que? Estamos trocando a Graça de Cristo pela Lei? O sacrifício de Cristo na cruz, a mesma cruz que ninguém mais quer, ninguém vende mais não foi suficiente? Eu como Paulo me alegro ao ouvir a voz de Deus dizendo "a minha graça te basta.

Texto adaptado do importaríeis Kadasaha.