Trump decreta dia nacional de oração: “Deus é nosso refúgio e fortaleza” Presidente recebeu pastores no seu gabinete e assinou decreto oficial

A cena parece ter saído dos relatos do Antigo Testamento. Exortado por líderes religiosos, o líder de uma nação inteira decreta “um dia nacional de oração”.

Após o furacão Harvey passar nos últimos dias pelo sul dos Estados Unidos, causando bilhões de prejuízo em um rastro de destruição e mortes, o presidente Donald Trump tomou a decisão de convocar o país a dedicar o domingo (3/9) para pedirem a benção de Deus sobre o país. Ao lado do vice, Mike Pence, ele assinou um documento oficial.

O anúncio foi feito após ele receber a visita de pastores e líderes evangélicos em seu gabinete. O pedido de Trump se alia ao do governador do Texas, Greg Abbott, que também convocou os texanos a orar pela recuperação do seu estado.

“Estamos profundamente gratos por aqueles que se dedicam ao serviço, e oramos por cura e conforto para os necessitados”, afirma a proclamação do presidente, divulgada pela assessoria de imprensa da Casa Branca.

“À medida que os esforços de resposta e recuperação continuam e, à medida que os americanos oferecem o alívio necessário para as pessoas do Texas e da Louisiana, lembremos da promessa das Escrituras de que “Deus é nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações”, continua a nota, citando o Salmo 46*.

“Exorto todos os americanos e casas de culto em toda a Nação a se juntarem em uma única voz de oração, enquanto buscamos apoiar um outro e ajudar aqueles que sofrem com as consequências dessa tempestade terrível”, afirmou Trump. Ele anunciou também que doará 1 milhão de dólares de seu próprio bolso para as vítimas.

A oração feita sobre Donald Trump, com imposição de mãos, foi liderada pelo pastor Robert Jeffress, líder da Primeira Igreja Batista de Dallas, um influente líder cristão que esteva ao lado de Trump desde a campanha presidencial.

No vídeo divulgado, ele cita o texto de 2 Crônicas 7:14: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra”.

Nos últimos dias, o vice Mike Pence também teve encontros de oração com líderes, em especial com Franklin Graham, cujo ministério tem se envolvido diretamente no socorro às vítimas no Texas.

Desde o governo de Ronald Reagan não havia uma manifestação cristã tão clara na Casa Branca. Foi Reagan quem criou o Dia Nacional de Oração pelo país, em maio de 1982. Contudo, o decreto de Trump é algo inédito na história recente dos EUA, ocorrendo com um pedido específico pela intervenção divina em um momento de crise.

Fonte:  CBN

“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem-presente na angústia. Pelo que não temeremos, ainda que a terra se mude, e ainda que os montes se transportem para o meio dos mares. Ainda que as águas rujam e se perturbem, ainda que os montes se abalem pela sua braveza. (Selá) Há um rio cujas correntes alegram a cidade de Deus, o santuário das moradas do Altíssimo. Deus está no meio dela; não será abalada; Deus a ajudará ao romper da manhã. As nações se embraveceram; os reinos se moveram; ele levantou a sua voz e a terra se derreteu. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá) Vinde, contemplai as obras do Senhor; que desolações tem feito na terra! Ele faz cessar as guerras até ao fim da terra; quebra o arco e corta a lança; queima os carros no fogo. Aquietai-vos e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre as nações; serei exaltado sobre a terra. O Senhor dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio. (Selá)”
‭‭Salmos‬ ‭46:1-11‬ ‭

Fátima diz que novelas precisam ter beijos gay infantil para combater o preconceito Um tema sempre em voga nos dias de hoje

Um tema polêmico foi abordado no programa encontro na rede Globo de televisão mais dessa vez a questão foi as crianças transgênero. “ Crianças que não se identificam com o sexo que nascem”

Foi convidado para falar do assunto o psiquiatra Alex Sedha que é o coordenador do ambulatório de identidade de gêneros e orientação sexual.

FÁTIMA NÃO SE CONTEVE E COMENTOU SOBRE OS COMENTÁRIOS MALDOSOS QUE O PROGRAMA TEM RECEBIDO POR TRATAR TEMAS COMO ESSE

O mesmo fez questão de ressaltar que não tem nada de errado com as crianças que desde cedo acreditam ter

Nascido no corpo errado” e contou que em meio aos seus pacientes tem meninos e meninas de 3 e 4 anos de idade.

Ele ressaltou ainda que o ambulatório não faz intervenção e que lá cada um pode ser o que quiser ser “ Pois crianças não tem preconceito”

Para ele o gênero é uma questão de construção social e disse que o papel deles é acompanhar o caso até a Puberdade, antes de ocorrer o tratamento hormonal que gera a mudança radical no corpo.

A apresentadora Fátima Bernardes alegou que ainda existe muito preconceito na sociedade por falta de informação

Na questão, por isso ela estava apoiando uma “ Campanha de aceitação e respeito”

Já vimos que o país aceitou de forma positiva as várias cenas e roteiros gay adulto, na emissora. A próxima meta é atingir o público adolescente e infantil.

Eles também precisam ter sua identidade sexual representada e aceita na TV. Assim serão mais aceitos na sociedade.

A próxima novela já está escalando atores pensando nisso, ressaltou Fatima.

O programa contou com a participação da mãe de uma menina de 10 anos chamada Isa que nasceu menino mais nunca se identificou com o gênero do seu nascimento.

Que apoiada pelo ambulatório do HC assumiu a identidade de menina e trocou até mesmo o seu nome.

Em seguida foi mostrado o caso de Renata, um adulto transexual que recebeu todo apoio da família para assumir suas verdadeiras condições aos 13 anos.

No palco estava o ator Ricardo Tozzi que acredita que isso seja uma questão espiritual.

No entanto com este tema abordado o programa tentou trazer a toma uma questão positiva sobre o assunto Complexo, mostrando que ele deve ser enfrentado com naturalidade.

Fátima não se conteve e comentou sobre os comentários maldosos que o programa tem recebido por tratar temas como esse.

Mais não há o que se falar em relação ao programa Encontro que atinge 10 no ibope.

Portal G1 - Pensa Brasil

 

A biblia em fragmentos autênticos Entenda como funciona o processo de união Histórica dos fragmentos bíblicos

A Bíblia como a conhecemos e a temos em nossas mãos:

  • não caiu do Céus pronta;
  • foi escrita anos após os acontecimentos;
  • a autoria dos livros nem sempre é real, às vezes foi uma mera necessidade de dar um título que lhe desse autoridade;
  • devido à ação do tempo, muitos manuscritos tinham (e tem) partes faltosas, assim como haviam muitas cópias, chamados Códices foram usados. Veja nas imagens abaixo alguns exemplos:

Devido a este fato muitos manuscritos foram usados para se completar as lacunas, e mesmo assim, há algumas divergências. Alguns dos evangelhos e cartas receberam fragmentos de vários códices e até línguas, ou melhor dialetos diferentes do grego e do Latim.

  

Nas imagens acima temos as fontes do conhecido "Textu Rceptus" um dos manuscritos usados por certas Bíblias em oposição a outra versão chamada  considerada uma versão melhorada chamada "Texto Majoritário", tanto um quanto o outro usando códices: Vaticano, Alexandrino, Sinaico. Além de várias versões Latinas, ciriacas e copticas.

Mesmo assim, ainda temos variáveis significativas, pois é da combinação destes fragmentos que temos algumas traduções em línguas modernas como: ingles, francês, alemão, espanhol e italiano. Infelizmente poucas versões em língua portuguesa tiveram uma origem direta das línguas originais quer sejam manuscritos, códices ou mesmo texto majoritário/ recepus. As Bíblias do Brasil são traduções do inglês (usando King James e NIV) originando variações da famosa Almeida, a NVI (Nova versão internacional) é mesmo a King James em português não é fiel à versão histórica da famosa King James. Outra versão importante é a Bíblia de Jerusalém que foi traduzida direto de grandes manuscritos, mas nossa versão veio da original Francesa, está também apresenta problemas, menores que as citadas anteriores.

Nao devemos nunca confiar em uma única versão, se você não conhecer outras línguas: antigas ou modernas (como fontes fiéis), tenha pelo menos 4 Bíblias em versões diferentes. Esteja atento que algumas tem apenas o nome de capa diferente, mas a versão é a mesma: Thompson usa a Almeida,   Bílis Judaica usa Almeida com alteração de nomes, Bíblia de Lutero é uma afronta pois usa Almeida e da a entender que é uma tradução da famosa Bíblia luterana (está possui apenas comentários de Lutero),  Freak Bible ou outras versões como Fé usam a NVI, assim temos apenas o mesmo do mesmo com capas diferentes.

Tenha Bíblias católicas, protestantes, e inter-denominacionais, como: Almeida, Jerusalém, a Bíblia Hebraica (apenas o VT uma versão dos Judeus publicada pela Sefer), NTLH, NVI , Ave Maria e A Voz de Deus.

Agora é iniciar sua coleção para um estudo aprofundado da palavra de Deus.

Os Livros Apócrifos (Secretos) e o estudo das Sagradas Escrituras

Eusebius Pamphili (Cesarea)

Eusébio de Cesareia (1) autor ele História Eclesiástica, no capítulo intitulado as divinas Escrituras reconhecidas e das que não o são, após apontar os livros do Novo Testamento na ordem como os temos hoje na Bíblia Sagrada, menciona outros escritos conhecidos e difundidos pela cristandade no século IV. Ainda que não incorporadas no rol dos textos divinamente inspirados pelo Espírito Santo, algumas destas obras são destacadas pelo historiador, tais como o Evangelho dos hebreus, Cartas de Barnabé e Apocalipse de Pedro, dentre tantas outras que circulavam livremente pelas igrejas. Para ele, estes escritos apócrifos distinguem-se dos que a tradição da Igreja julgou verdadeiros, genuínos admitidos, principalmente porque nenhum dos escritores ortodoxos, os chamados apostólicos, mencionavam tais fontes. Também julgava Eusébio que nestas obras o estilo pensamento e a intenção dos apóstolos não se faziam refletir e, por isso, considera necessidade de rechaçá-los como inteiramente absurdos e ímpios. Não obstante o repudio incisivo das autoridades eclesiásticas, a circulação sub-reptícia dos apócrifos perdurou firmemente. Aliás, os reflexos do conteúdo deste material podem ser percebidos na produção da arte cristã que marcou todo o período da Idade Média.

Resultado da tradição oral dos primeiros crentes da era cristã, os apócrifos tornaram-se importantes documentos reveladores do modo como vivia e pensava uma grande parcela da cristandade, cuja voz ficou abafada pela Igreja Oficial. Produzidos para satisfazer as curiosidades populares a respeito da infância de Jesus e de seus pais, bem como a estabelecer as raízes da nova religião, tais escritos revelam, por um lado, as idiossincrasias do pensamento e das práticas judaicas que marcaram a origem do cristianismo, e outro, refletem a efervescente e plural cultura gentílica com a qual o Cristianismo passou a lidar cotidianamente em seu processo de expansão.

Muitos séculos depois, a despeito de não terem sido incluídos no cânone das Escrituras cristãs, tais textos continuam despertando a curiosidade do crescente número de interessados nas coisas da Religião. Todavia, o desconhecimento generalizado do conteúdo dos apócrifos tem gerado especulações que somente o exame acurado de seu real teor pode dirimir. Ao editar estes livros, pela primeira vez reunidos em volume único longe de apresentar uma nova Bíblia aos cristãos, o nosso objetivo é disponibilizar fontes primárias de um compêndio de riqueza informativa incomensurável para a plena compreensão do Cristianismo e estreitar o contato com a herança literária legada pelos movimentos populares que se mantiveram marginais no curso da História da Igreja.

A publicação dos proscritos da Bíblia converte-se em uma nova contribuição os interessados em aprofundar os estudos das Sagradas Escrituras, através de seu cotejo com a produção literária apartada do cânon tradicional. Destarte, o entendimento dos motivadores ideológicos que serviram à produção de ambos, bem como as razões que levaram a Igreja a adotar alguns textos como inspirados e reprovar outros como de origem espúria ou apócrifa, motivar-nos-á reafirmar o amor pela Palavra de Deus.

Autor: Prof. Dr. Jaime dos Reis Sant'Anna

(1) História Eclesiástica (Trad. Wolfgang Fischer). São Paulo, Editora Novo Século. 1999, p. 99-100

Mitra e Jesus Rituais e manipulação católica

O Mitraismo é uma religião assíria que se estendeu desde a Roma, passando à Índia e até à Roma. E é neste momento onde tudo acontece de errado. Não que mitra seja errado, mas a igreja católica contaminou a verdade.

A igreja inventou dados que não existiam na Bíblia. Nada na Bíblia afirma o dia que o nascimento de Jesus aconteceu em 25 de dezembro, ou seja é uma  adição baseada em mitra.  Jesus não era de fato um pastor, ele era quando muito um carpinteiro.
img_0459

REVELANDO A VERDADE - Católicos não adoram a JESUS MAS A UM DEUS PAGÃO - MITRA

O culto de Mitra chegou à Europa através de vários povos, ganhando, na Grécia Antiga, sua grandeza. Com a adoção da religião grega pelos romanos em 146 a.C., Mitra foi literalmente adotado como divindade principal se mantendo assim até o século III d.C. No Império Romano, foi objeto de culto e teve seu culto incorporado ao cristianismo, até sua data de nascimento foi escolhida para Jesus. Pois Jesus nunca nasceu em dezembro, mas entre maio e julho, a data provável é 8 de junho.
Os católicos ainda adoram um objeto com o formato de um Sol símbolo solar de Mitra, o chapéu do Papa se chama Mitra, e basta pesquisar pelo CNPJ das igrejas católicas de sua cidade que verá que todas elas começam com o nome Mitra.

Pesquise estes dados e verificará que é a mais pura verdade. Há outros pontos em comum, mas não vamos nos ater a eles agora.

Ajude-nos a expor está verdade que está diante de nossos narizes a quase 1300 anos. Eles escondem a verdade.

Compartilhem, compartilhem, compartilhem, compartilhem, compartilhem.

img_0460

O Apostolado de Paulo/Saulo Seria ele o fundador do cristianismo ou do paulinismo?

Por: Ronaldo Gomes

Sempre quando eu publico algum estudo teológico em alguma rede social que vai contra o credo de algumas pessoas, dificilmente a pessoa contra-argumenta baseada na bíblia, mas geralmente surgem ofensas aleatórias e, outras pessoas por falta de argumentos lógicos dizem aquele velho chavão de Paulo: "A letra mata". Ou : "As coisas espirituais devem ser dicernidas espiritualmentes", numa forma clara de rejeição a qualquer estudo teológico. Engraçado que o Messias que elas dizem seguir, Jesus, criticou os fariseus da sua época por desconhecerem as escrituras: "Errais não conhecendo as escrituras e o poder de Deus".

E de onde surgiu esse argumento? De Paulo. Só nesta introdução vemos uma diferença clara nos ensinos de Paulo. E outra coisa que observamos, que todos que estudam teologia sabem, é que a igreja não é cristã, é paulina. Toda a base teologia e dogmatica de quase todas as denominações cristãs são baseadas em Paulo, não em jesus. Arrebatamento, salvação gratuita, cargos eclesiasticos etc... tudo doutrina de Paulo.

As pessoas não veem nenhum problema nisto, pois as pessoas são pré-condicionadas desde pequenas a acreditarem que Paulo foi o maior dos apóstolos e que seus ensinos são iguais aos de Jesus, pois, afinal de contas, ele aprendeu com o próprio Cristo o evangelho, ainda que ele nunca tenha conhecido Jesus. E as pessoas por credo não conseguem analisar racionalmente as diferenças do que Jesus disse e do que Paulo disse. As diferenças entre o que os demais apóstolos pregavam, e até as suas divergências com Paulo são evidentes no novo testamento. A epístola de Tiago, por exemplo, nem sequer entrou nos primeiros concilios no cânon, porque todos sabiam que era uma resposta a epístola de Paulo aos Romanos (veremos adiante)

Vamos analisar estes pontos e algumas curiosidades.

PAULO APÓSTOLO?

No primeiro século haviam vários messias e cada um deles com seus seguidores (ver: Os falsos messias da judéia). O judaísmo fervia de seitas e facções diferentes. Havia Simão Barjonas, Simão o mago (mencionado em atos e no evangelho de Pedro), Simão pirineu, Apolonio de tiana, Barcokva etc.... Devido a opressão Romana, os judeus anseiavam por um messias, ou esperavam que o messias se manifestasse naquela geração, e isso era um prato cheio para pessoas que acreditavam serem o messias, e elas atraiam muitos seguidores. Uns com curas, outros com palavras e outros com incitação a rebelião. Dentro do judaísmo mesmo haviam correntes diferentes, como os saduceus, fariseus, essênios etc....

Mas duas vertentes messiânicas tornaram-se mais proeminentes no primeiro século. Os seguidores de João Batista e os seguidores de Jesus. Os seguidores de João batista acreditavam que ele era o messias e não jesus, isto testemunhado por alguns pais da igreja. Os seguidores de Jesus eram maiores, e justamente por essa expansão, começaram a surgir facções diferentes de crentes que acreditavam que Jesus era o messias. Uns acreditavam pelos testemunhos dos apóstolos (os doze) e outros pelos testemunhos de pessoas que se convertiam e saiam pregando como Paulo. Paulo mesmo em corintios atesta isto:

"Porque a respeito de vós, irmãos meus, me foi comunicado pelos da família de Cloé que há contendas entre vós.Quero dizer com isto, que cada um de vós diz: Eu sou de Paulo, e eu de Apolo, e eu de Cefas, e eu de Cristo"
1 Coríntios 1:11-12
Como vemos, haviam uns que diziam ser de Pedro, outros diziam ser de Paulo, outros diziam ser de Apolo (talvez um novo convertido) e assim por diante. Não havia apenas um grupo unanime e unido como nós somos induzidos a crer. E também não havia uma harmonia entre Paulo e os demais apóstolos. Em sua epístola aos Gálatas, Paulo declara que confrontou Pedro abertamente e vai mais além, quando se refere aos demais apóstolos. Observe que Paulo mesmo se refere aos demais apóstolos como notáveis (algumas bíblias traduzem colunas) :

img_0345

"Depois, passados catorze anos, subi outra vez a Jerusalém com Barnabé, levando também comigo Tito.E subi por uma revelação, e lhes expus o evangelho, que prego entre os gentios, e particularmente aos notáveis; para que de maneira alguma não corresse ou não tivesse corrido em vão". Gl 2,1-2

Esta é tradução mais fiel baseada nos textos gregos

"E conhecendo Tiago, Cefas e João, que eram considerados como os notáveis, a graça que me havia sido dada, deram-nos as destras, em comunhão comigo e com Barnabé, para que nós fôssemos aos gentios, e eles à circuncisão; Gl 2,9

Os mesmos que ele descreve que não lhe acrescentaram nada:

"E, quanto àqueles notáveis que pareciam ser alguma coisa (o que na realidade não interessa; Deus não faz acepção de pessoas ), de qualquer forma esses notáveis não me acrescentaram em nada" Gl 2,6 (ps. Esse versículo as bíblias traduzem diferente do texto grego tendenciosamente. ver bíblia de Jerusalém ou outra de estudo)

De fato, o próprio Paulo admite que não era considerado apóstolo pelos demais:

"Se não sou apóstolo para os outros (apóstolos) ao menos sou para vós" (1cor 9,2)

e que foi abandonado por eles:

"Bem sabes isto, que os que estão na Asia todos se apartaram de mim." (2 Timóteo 1, 15)

Após a saída de Judas, os apóstolos tiveram que escolher um novo apóstolo em seu lugar, e o critério utilizado, segundo o entendimento deles através do espirito santo era que:
o escolhido devia ter seguido Jesus desde o dia do seu batismo até à sua morte (Atos 1, 21-22).

Critérios estes que Paulo não preenchia. Paulo chega mesmo a utilizar Escrituras, aplicando antigas profecias a ele próprio, nomeadamente Isaías 49, 6: "também te dei para luz dos gentios, para seres a minha salvação até à extremidade da terra." (Atos 13, 47-49) O problema com esta profecia é que se aplicava apenas a Isaías. Não a Paulo.

Na verdade os apóstolos nunca ordenaram Paulo apóstolo, mas ele mesmo. A palavra apóstolo significa enviado, isto é, alguém que foi enviado diretamente por Jesus ou por alguém enviado por ele. Paulo não preencheu este requisito, uma vez que os demais apóstolos não o reconheciam como tal.

Jesus, em seu famoso sermão profético advertiu aos seus seguidores sobre isso dizendo:

"Surgirão falsos cristos (palavra que significa ungido) e falsos profetas em meu nome (como que surgiria um messias em nome do messias?) e enganarão a muitos, e se possível até os escolhidos. Não os creiais, eu não os enviei" (mateus 24 ou lucas 21)

O problema deste texto é a palavra messias que todos pensam se referir a messias mesmo, mas essa palavra significa ungido. Qualquer pessoas que se diga ungida esta se dizendo messias. Até porque não teria como alguém surgir em nome de Jesus se dizendo messias literalmente: "Olha, eu sou o messias e o messias me enviou". Não teria como. E o que Jesus esta advertindo aqui? "Não vai vir mais ninguém"

img_0346

Paulo veio em nome de jesus dizendo: "Eu fui enviado"

Ou seja, jesus advertiu que não enviaria mais ninguém, tipo assim: "Olha, se vier alguém em meu nome dizendo: o Cristo me enviou; não acreditem, eu não enviei mais ninguém OK"

E ai surge Paulo no cenário Cristão dizendo: "Cristo me enviou" e vira a pedra angular de toda a igreja. Estranho!

E para respaldar sua história de enviado (apóstolo) Paulo narra uma história de um encontro miraculoso com jesus no caminho á Damasco. Tudo bem, mas o problema é que o maior acontecimento da vida dele ele narra três vezes no livro de Atos (que ele escreveu com Lucas) de formas diferentes. Em cada narrativa ele difere da outra, como se não se lembrasse mais do que disseram antes. Para não estender o texto vou mostrar um vídeo do professor Sabino, onde ele mostra essas diferenças e as correções que os Pais da igreja fizeram para que todos aceitassem:
E foi o mesmo paulo que disse: "Se pela minha mentira, abundou o evangelho da graça de Deus por que ainda sou julgado pecador?" Rm 3,7 Será que a mentira que paulo se refere era esse suposto encontro?
AS FALSAS PROFECIA DE PAULO

Segundo o livro de deuteronômio, Deus deixou um sinal claro para que seu povo soubesse dicernir um falso profeta de um verdadeiro (dt 18). Um sinal que até uma criança de cinco anos entenderia:

"Quando um profeta falar em meu nome e suceder conforme ele falou, em meu nome falou tal profeta. mas se um profeta falar em meu nome e não acontecer, e não suceder assim, loucamente falou tal profeta, não o ouvireis"

É simples! É como dois mais dois, são quatro. Simples! Se um profeta falar e acontecer ele é de Deus. Se não acontecer não é. Simples assim!
E Paulo em sua epístola aos tessalonicenses, na segunda, Paulo profetiza acerca da volta de Jesus, que ele acreditava ser em sua época. Ao invés de mostrar o texto original, vou mostrar na versão da ferreira de almeida mesmo:

"Nós (paulo e os seus) os que ficarmos vivos, seremos arrebatados"

Paulo disse claramente que ELE, Paulo e os seus seriam arrebatados.Nos papiros mais antigos o texto diz:

"Nós, os vivos" mas foi corrigido, tudo bem. De qualquer maneira esse texto não é para o futuro como os pregadores dizem. O texto é claro! Paulo esta dizendo que ele e os seus que ficariam vivos, ou os vivos, seriam arrebatados! Algum deles foi arrebatado? Não. Todos morreram. E ai eu pergunto: Essa profecia se cumpriu? Paulo foi um profeta?

Depois, em sua epístola aos corintios, que apesar da ordem em que esta em sua bíblia, foi escrita depois de Tessalonicenses pela cronologia, Paulo muda de idéia, e já não fala mais em arrebatamento, mas em corpos transformados. Outro texto corrigido. Mas na sua almeida diz:

"Nem todos dormiremos (morreremos) mas num piscar de olhos, ao soar da trombeta seremos transformados"
Os papiros antigos diziam: "Todos nós não dormiremos", mas os pais da igreja corrigiram porque eles ficaram constrangidos por esta profecia não ter se cumprido, pois todos morreram. Mas mesmo na ferreira de almeida, da pra jogar este texto para o futuro? Paulo diz no texto "NÓS" que significa: "Eu Paulo, e vocês". Ou seja, ele esta se referindo a ele mesmo e aos seus em sua época. Isso se cumpriu? Não. Algum deles foi transformado? Não

Como vemos, isso é distorcido e ignorado pela fé. Podem distorcer, harmonizar, tentar forçar o texto, mas a verdade é que Paulo fez por duas vezes falsas profecias. Tanto que em corintios mesmo para corrigir o que ele dissera em tessalonicenses, ele diz: "carne e sangue não podem entrar no reino dos céus". ou seja, ninguém vai ser arrebatado. Confiram em suas bíblias. E respondam com sinceridade se Paulo foi ou não um profeta.
PAULO VERSUS OS APÓSTOLOS

Jesus esteve segundo os evangelhos, pregando durante três anos e instruindo seus apóstolos. Estranhamente ele revela coisas novas e diferentes a Paulo, tão novas ao ponto dos bispos terem colocado mais da metade do novo testamento só de epístolas de Paulo e terem rejeitado todas as epístolas dos apóstolos, só entrando alumas depois.Da a impressão que o trabalho de Jesus foi em vão, pois a revelação só viria mesmo com Paulo. Ou os apóstolos não aprenderam nada ou escreveram o oposto. É a impressão que da, uma vez que homens rejeitaram as epístolas dos apóstolos que andaram com Jesus e colocaram um monte das epístolas de Paulo. Se a igreja tivesse montado o novo testamento diferente como seria o cristianismo?

PAULO VERSUS PEDRO

Todos somos condicionados a acreditar que Pedro e Paulo eram amigos e que ambos fundaram a igreja em Roma. Isso não é verdade. Mas a formação da bíblia nos da a entender isto, uma vez que as epístolas de Paulo entraram na bíblia e as de Pedro apenas duas, e mesmo assim sua segunda epístola não entrou nos primeiros concilios. Engraçado que em escritos apócrifos de Pedro, encontrados recentemente, Pedro critica Paulo e adverte a igreja sobre ele, e isto fora o que pode ter existido e escrito e ainda não encontrado.

Paulo em Gálatas, é extremamente critico com relação á Pedro e os demais apóstolos. Chama Pedro de dissimulado e diz que o enfrentou abertamente devido a sua dissimulação. O que acontece é que Pedro, pregava uma coisa, segundo este relato, e quando estava com os judeus, por medo, agia como os judeus, o que segundo paulo era falsidade.

img_0347

Em Gálatas vemos que Pedro era um judaizante assim como
os demais apóstolos, os notáveis.
Mas o mesmo Paulo, também por medo dos judeus, mandou circuncidar Timóteo, sendo que ele mesmo disse que qualquer homem que se deixar circuncidar estava fora da graça e que Cristo morreu em vão. Mas Pedro ele chamou de dissimulado por ter tido medo dos judeus, ele não. O mesmo Paulo disse que para ganhar os judeus, se fez como judeu. Para o gregos se fez como os gregos e que se fez de tudo para todos. Isso não é dissimulação?

img_0348
E é estranho ele criticar Pedro por isso, uma vez que ele mesmo disse que se o evangelho é pregado, quer por interesse, por falsidade, tanto faz, o importante era que cristo era pregado! Estranho não! Quer dizer que ele mesmo pregava que o improtante era que Cristo fosse pregado, independente de ser com falsidade ou não, que ele mesmo agiu com falsidade para ganhar a todos, mas Pedro, ele reprendeu por ser dissimulado! humm

"Verdade é que também alguns pregam a Cristo por inveja e porfia, mas outros de boa vontade;
Uns, na verdade, anunciam a Cristo por contenção, não puramente, julgando acrescentar aflição às minhas prisões. Mas outros, por amor, sabendo que fui posto para defesa do evangelho.Mas que importa? Contanto que Cristo seja anunciado de toda a maneira, ou com fingimento ou em verdade, nisto me regozijo, e me regozijarei ainda" (Filipenses 1, 16-18)

No que nós temos na bíblia, só existe uma citação de pedro a Paulo em sua segunda epístola e não agressivamente. Vejam a diferença! Pedro diz que as epístolas de Paulo são difceis de entender. Só, é só que temos no cânon.

img_0349

PAULO VERSUS TIAGO
Como dito no ínício, a epístola de Tiago foi rejeitada nos primeiros concilios pois era uma resposta a epístola de Paulo aos Romanos. Paulo pregava com veemencia que a salvação era gratuita, unica e exclusivamente pela fé. Chegava a dizer que as obras não podiam salvar ninguém para que ninguém se glorie. É o mesmo que eu disser: "Você não precisa ser bom nem fazer o bem, porque você não vai ser salvo por isso, para que não se glorie" Essa é a visão de Paulo vigente na maioria das denominações.

Já Tiago e os demais apóstolos, exortavam que a fé sem obras era morta. Tiago chega a dizer: "Acaso a fé pode salva-lo? Vês que o homem é justificado pelas obras e não pela fé"

Tiago esta dizendo aqui que não adianta ter fé se não ter boas obras, fazer o bem, caridade, etc....Isso não salva ninguém, contradizendo Paulo.
"Queres tu saber, ó homem insensato, como é que a fé sem obras é estéril? Vedes, pois, como o homem fica justificado pelas obras e não somente pela fé. Assim como o corpo sem alma está morto, assim também a fé sem obras está morta" (Tiago 2, 20-26)

Ais os "pregadores da verdade" dizem que não tem contradição alguma, que o que salva é a fé, mas a fé só é verdadeira se produz boas obras. Mas se a fé produz boas obras então a pessoa não pode ser salva, para que não se glorifique! kkk é isso que da querer forçar e harmonizar textos que se contradizem.

img_0350

Eles tinham visões diferentes, é obvio. Um dizia uma coisa e outro outra. E com quem ficar? Jesus disse:

"Nem todo que me diz senhor, senhor entrará no reino dos céus"

E ai? É pela fé a salvação como dizia Paulo?. Jesus disse:

"Tive fome e não me deste o que comer...."
A reação normal das pessoas!
Isso não são obras? E qual dos dois "apóstolos" andou com jesus, Paulo ou Tiago? Qual dos dois aprendeu diretamente com o messias?

E isso é só um resumo. Tiago explica que o desejo leva a cobiça, e a cobiça ao pecado etc... enquanto que Paulo dizia que os demônios levavam ao pecado e etc.... E por ai vai as diferenças teológicas. Mas os pregadores não veem contradição alguma. Basta dar uma olhada em uma simples página de uma rede social cristã que você dificilmente vai ver Tiago, mas Paulo, paulo, Paulo etc.....
PAULO VERSUS JOÃO

Paulo escreveu uma epístola aos efésios destinada a ser lida nessa igreja e nas comunidades próximas. Paulo diz que o espirito santo deu uns para apóstolos, outros anciãos, outros diaáconos etc.... Quando João escreve sua epístola a essa igreja percebesse a confusão que estava esta igreja, e João em sua epístola, que esta no livro do apocalipse diz: "puseste aprova os que se diziam apóstolos e não eram, mas os achastes mentirosos"ap 2,2-7

Só sabemos de uma pessoa antes de João que esteve em Efésios, uma vez que cada par de apóstolos pregava em uma determinada região. E esta pessoa que se dizia apóstolo, foi Paulo. Engraçado que jesus advertiu tanto sobre falsos ungidos e qualquer um que se diga apóstolo, a igreja abraça, vide Waldemiro.

Nas epístolas que são atribuidas a João,embora não sejam do mesmo autor, ele exorta os seus a provarem os espiritos, isto é, por a prova, ver se é de Deus mesmo.

João avisa a respeito de "falsos profetas", e enumera algumas das suas características:

- não seguem os Apóstolos (1 João 4, 6),
- ensinam doutrinas contrárias, nomeadamente que Jesus não tinha um corpo inteiramente humano/fisico (1 João 4, 2),
- fizeram parte do grupo (de discípulos) mas afastaram-se (2 João 2, 19),
- não cumprem os ensinamentos de Jesus ( 2 João 1, 9).

Não temos mais epístolas canônicas de outros apóstolos para comparar, mas mesmo assim, já podemos notar estas diferenças teológicas e entender o porque elas foram rejeitadas nos primeiros concilios.

PAULO VERSUS JESUS

Não vou me estender muito neste tema, só resumir, devido a tempo. Mais para frente eu faço um estudo apenas sobre isto, Paulo versus Jesus.

Jesus diz para perdoar setenta vezes sete, Paulo manda entregar a Satanás (1co 5,5)
Jesus ensina a saudar os inimigos,pois se saudarmos só os que nos amam somos iguais aos maus; Paulo exorta que se desvie e se exclua da congregação os que professam outra fé.
Jesus disse para não julgar; Paulo para julgar
Jesus disse que não veio abolir a lei; Paulo disse que ele aboliu
(engraçado que Jesus disse uma coisa, ai ele morre, ressucita e depois aparece para Paulo para corrigir o que ele havia dito: "Ah, eu mudei de idéia, eu vim abolir a lei sim)

São poucos os pontos em comuns entre os ensinos de Paulo e Jesus, e os mais comuns são os menos utilizados, como a caridade, a humildade, o auxilio ao próximo etc....

Notamos inúmeras contradições nos escritos de Paulo:

Paulo conhecia o Sumo Sacerdote, que lhe dera cartas de recomendação (Atos 9:1-2)...
... mais tarde, Paulo mente, ao dizer que não conhecia o Sumo Sacerdote, pois, pela sua posição social e religiosa, decerto o continuaria conhecendo, ainda que tivesse sido substituído (Atos 23:1-5).

Paulo afirmou, categoricamente, que era "israelita, da tribo de Benjamin" (Romanos 11:1)...
...que era "hebreu" (2 Coríntios 11:22; Filipenses 3:5) ...e que era "judeu" (Atos 22:3).
No entanto, saiu com esta declaração: "Fiz-me judeu para os judeus, para ganhar os judeus" (1 Coríntios 9:20). Ora, ninguém, que já é judeu, 'faz-se judeu'.
Disse que após a visão subiu a Jerusalém e ao mesmo tempo disse que não subiu, e por ai vai. Afinal Paulo disse que pregava o SEU evangelho, não o de jesus (Rm 2,16/2Tm 2,8).

PAULO FOI PROFETIZADO?

Muitos me perguntam isso. Eu vejo nas profecias de Zacarias uma alusão a isto. No capítulo onze de Zacarias,O profeta quebra um bastão que simboliza a união de Israel e Judá. E lança um estranho oraculo messiânico onde ele fala de dois pastores, não apenas do messias. O profeta Ezequiel também falou de dois pastores. E Zacarias diz que um seria um bom pastor, o messias, e o outro um pastor insensato que não cuidaria da ovelha perdida.

No novo testamento, só vemos uma referencia a Insensato que é na epístola de Tiago, que sabemos que foi uma resposta a Paulo. Qualquer bíblia de estudo hoje comenta isso na introdução. Então quem que Tiago esta chamando de Insensato?? Paulo. Então quem se encaixa nessa profecia de Zacarias? E mesmo que não fosse Paulo, Tiago esta criticando um pastor insensato que pregava a salvação pela fé, sem as obras. Quem mais fazia isso?
Tiago ínícia sua epístola destinando-a aos irmãos da diáspora, isto é, as ovelhas perdidas da casa de Israel. Paulo nunca destinou nada as ovelhas perdidas, ao contrário, se fez apóstolos dos gentios. Quem se encaixa no oráculo de Zacarias como insensato que não cuidaria da ovelha perdida? Jesus? Não, jesus disse que veio somente para as ovelhas perdidas da casa de Israel. Paulo? Com certeza.

Foi Paulo que pegou o messias judeu e o tornou universal, expandindo desorganizadamente com falsidade, por interesse, onde cada um ia criando sua própria interpretação.

Fora outras profecias maquiadas!
A LETRA MATA

Por isso que Paulo colocou em sua epístola que a letra mata, porque se as pessoas começarem a ler e a racicionar, a fé em paulo estaria morta. Por isso que os evangélicos utilizam este chavão, para impedir as pessoas de pensarem. Estudar para que né, é só pedir pro espirito santo e pronto. por isso hoje tem uma igreja diferente em cada esquina!

PAULO NOS APÓCRIFOS E NA HISTÓRIA

Para o texto não ficar demasiado grande, vou deixar por enquanto as informações biblicas. Quer saber o que dizem os apócrifos e a história sobre Paulo?  Em breve mais estudos.

paz a todos! Ronaldo

Por quê Jesus é considerado o cordeiro de Deus Deus queria seu sacrificio?

jesus_leao_deJudaEm nosso mais querido (e polêmico) evangelho apostolo João diz “Cordeiro de Deus que tira os pecados do mundo” (João 1:29)

O deus do Velho testamento gostava de sacrificios de animais como prova de expiação dos pecados, e como forma de salvação. O sistema de sacrifícios atinge seu ponto máximo com a nação de Israel. Deus ordenou que essa nação executasse inúmeros sacrifícios diferentes. De acordo com Levítico 1:1-4, um certo procedimento era para ser seguido. Primeiro, o animal tinha que ser perfeito.

Deus pedia que o animal fosse perfeito, sem maculas, assim é de se entender que embora Jesus tenha sido crucificado ao lado de outros dois homens, apenas Seu sacrifício foi aceito por Javé, sempre nos fizeram acreditar que só poderíamos ter esperança se Deus providenciar um caminho para a nossa reconciliação e foi isso o que Ele fez ao mandar o Seu Filho Jesus Cristo para morrer na cruz, em sacrificio a Javé, a forma de Deus dominante em Jerusalem na época. Cristo morreu para fazer expiação pelo pecado e para pagar pela penalidade dos pecados daqueles que têm colocado sua fé nEle. Javé aceitava sacrificios como forma de aplacar sua ira e em troca de favores ou perdão. Era um deus Tribal, ou seja da Tribo de Israel, e ele afirma isto varias vezes Dizendo que não abandonaria seu povo, o povo de Israel.  No Antigo testamento original Jave, assume varios nomes: Jeová, Jeová-Jiré, Yeowah (variação de Jeova), Elohim, Adonai entre outros. Mas Jesus nunca se referiu a ele em nenhum destes nomes, mas sempre como Abba, ou Pai em Aramaico, e os evangelistas e Paulo (Saulo) como Deus (Theos em Grego). Assim, no momento em que Jesus é levado pelos soldados ele diz em Aramaico  "E, por volta das três horas da tarde, Jesus clamou com voz forte: “Eloí, Eloí, lamá sabactâni?”, que significa “Meu Deus, Meu Deus! Por que me abandonaste?” (Mateus 27:46) Jesus como Judeu acreditava que Eloi, ou Elohim (em Hebraico) pudesse salva-lo, mas Elohim o abandonou e o queria como sacrificio, pois era um cordeiro puro e poderia satisfaze-lo de forma plena, nos momentos seguintes ao ver que Eloí (Elohim) não o salvava ele apela ao Pai  dizia: "Aba, Pai, tudo te é possível. Afasta de mim este cálice; contudo, não seja o que eu quero, mas sim o que tu queres". (Marcos 14:36) e quando já na Cruz Jesus clama e pede por seu pai, aquele que o enviou "E dizia Jesus: Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem." (Lucas 23:34/ Mateus 26:39).

O povo vivia sob a Lei Mosaica descrita em detalhes nos 5 primeiros livros da Biblia (Genesis, Exodo, Levítico, Deuteronomio e números). Uma Lei que Jesus veio revogar, veja o que nos diz Paulo em Gálatas:

"Para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.Assim que já não és mais servo, mas filho; e, se és filho, és também herdeiro de Deus por Cristo." Gálatas 4:5-7

Hoje não vivemos mais sob a Lei e sim sob a graça de Jesus, com a Morte e ressurreição de Jesus, o Judaísmo perde seu poder e imperio. Por anos e ainda nos dias de hoje há o que se chama de anti-semitismo, ou seja odio aos Judeus, por terem sido eles e seu deus a Crucificar nosso Salvador.

Você pode ler e aprender com o velho testamento, mas ele é um livro de leis, e leis que caducaram (caíram em desuso) com a morte e ressurreição de Jesus. Hoje, nenhum sacrificio deve ser feito, pois quando o sangue de um justo é derramado de forma injusta e erguido no madeiro (a cruz). O poder é restaurado, e Jesus e Abba voltam a serem senhores do mundo. Ainda é preciso vigiar e orar, para que os tempos de guerra não assolem nossa nação como ainda acontece em nações que negam a bíblia (ver artigo anterior).

 

Os 10 principais países que proibem o Evangelho Pelo menos no Brasil temos direitos a Religião

Os 10 principais países que proibem o Evangelho

Existe no mundo, 10 principais países que proíbem a leitura da bíblia e seus Evangelhos (algumas vezes distribuidos de forma separada) e entre eles estão :

1- Coréia do Norte :
maxresdefault
Onde a atividade religiosa é vista como uma rebelião aos princípios socialistas que imperam.A situação dos cristãos é extremamente aguda lá, embora o regime norte-coreano esteja deixando aos poucos a mão-de-ferro com a qual controlava a sociedade.

Pela mobilização de cada recurso do poder, A Coreia do Norte tenta manipular a sociedade a fim de exterminar atividades cristãs, e usa todos os meios de poder para isso.

2- Irã :
iran-MMAP-md
O número total de pontos registrados diminuiu devido à ausência de relatos de cristãos assassinados. A onda de prisões que começou em 2008 continuou com a mesma força ao longo de 2009, com cerca de 85 cristãos presos.

A maior parte dos presos foi maltratada na prisão. Embora a maioria tenha sido libertada, os processos continuam pendentes e os cristãos podem ser condenados a qualquer momento.
Muitos dos que foram libertados estão sob observação e sofrem ameaças. As detenções causaram o grande medo entre os cristãos.
Algumas igrejas foram fechadas em 2009, e o motivo primário foi o fato de ex-muçulmanos frequentarem os cultos.
O islã é a religião oficial no Irã, e todas as leis devem ser compatíveis com a interpretação oficial da sharia (lei islâmica). Embora os cristãos de origem armênia e assíria sejam uma minoria religiosa reconhecida, eles relataram que alguns dos seus foram detidos, vítimas de abuso físico e discriminados.
Essas igrejas têm permissão para fazer cultos em sua própria língua, mas são proibidas de ministrar aos muçulmanos que falam o persa, idioma oficial do Irã. Segundo a sharia, qualquer muçulmano que deixar o islamismo enfrenta a pena de morte.
Algumas igrejas têm a polícia secreta vigiando seus cultos. Aqueles que são ativos em suas igrejas ou grupos domésticos estão sob pressão. São interrogados, presos e agredidos.
Além da pressão das autoridades, os cristãos também enfrentam a pressão da sociedade.
3- Arábia Saudita :
Bíblia Sagrada
A Arábia Saudita foi da segunda posição para a terceira. Isso não significa que a situação da liberdade religiosa no país tenha melhorado. O número menor de pontos foi causado pela ausência de relatos de cristãos assassinados ou agredidos.
Houve só um caso de prisão: um pároco estrangeiro sentiu-se obrigado a abandonar o país depois de receber ameaças de morte, algumas da própria mutaween, a polícia religiosa saudita.
Não há liberdade religiosa existe no reino saudita, onde só se permite que cidadãos tenham uma religião: o islamismo. Não há garantias legais de liberdade religiosa. O sistema legal é baseado na sharia (lei Islâmica). A apostasia (converter-se a outra religião) é punível com morte se o acusado não se retratar.
Embora o governo reconheça o direito dos não-muçulmanos de cultuar em particular, o culto público não-muçulmano é proibido.
Os não-muçulmanos que realizam tais atividades correm risco de serem detidos, açoitados, deportados e, às vezes, torturados. Ex-muçulmanos também correm risco de serem mortos pelos próprios parentes, para limpar o nome da família.
4- Somalia :
soma-MMAP-md Os cristãos são monitorados pelo governo e pelas milícias. O grupo extremista al-Shabaab está caçando os cristãos, e recebemos relatórios de menos 11 assassinatos. Outros foram raptados, presos ou agredidos.

A maioria dos cristãos vive no sul da Somália. Eles estão em pequeno número, são severamente perseguidos e praticam sua fé em segredo, em condições extremamente perigosas. Outros cristãos somalis vivem como refugiados em países vizinhos.
somalia-1_g

5- Maldivas : 

maldivasA perseguição aos cristãos nas Maldivas é sistemática: a legislação proíbe a prática de qualquer religião exceto o islamismo; o governo considera-se o protetor e defensor da religião; as igrejas são proibidas; a importação de materiais cristãos é proibida; a discriminação de não-muçulmanos é total; o controle social é enorme e os maldívios concordam com a suspensão de qualquer religião que não seja o islamismo.
No país – um dos menos evangelizados do planeta – há apenas um punhado de cristãos maldívios, que praticam a sua fé particularmente, temendo ser descoberto.
6- Afeganistão :
afeganistaoSer cristão no Afeganistão ainda é difícil, em particular porque a Constituição é baseada em princípios Islâmicos. Além disso, o islamismo é a religião estatal e as leis não podem contradizer essas crenças religiosas.
Uma vez que o islamismo aumentou sua influência com a expansão do Talebã em muitas províncias. O Talebã ameaçou imigrantes, agentes sociais cristãos e a igreja local.
A pressão da família e da sociedade é ainda imensa. Quem não esconde sua conversão ao cristianismo é ameaçado até de morte pelos parentes. As ameaças têm o objetivo de trazer angústia, medo e de forçá-los a renunciar a nova fé. Em alguns casos, os novos recém-convertidos são hostilizados e há casos de sequestro. Além disso, eles enfrentam discriminação na escola, no trabalho e nos serviços públicos. Consequentemente, muitos preferem não expressar publicamente sua fé em Cristo, nem se sentem seguros para se reunir com outros irmãos. As informações que recolhemos não indicaram assassinatos religiosos.
Apesar de toda a dificuldade, a Igreja está crescendo no Afeganistão.
7- Iêmen :
informacoes-iemen-2O Iêmen continua na sétima posição, mas o total de pontos aumentou. Em 9 de junho passado, agentes de saúde cristãos estrangeiros foram raptados por homens armados. Depois de alguns dias, os corpos de três deles foram encontrados, horrivelmente mutilados. O destino dos outros seis ainda permanece desconhecido.
A Constituição iemenita garante liberdade religiosa, mas também declara que o islamismo é a religião estatal e que a sharia é a fonte de toda a legislação. O governo permite que imigrantes pratiquem sua fé, mas os cidadãos iemenitas não podem se converter a qualquer religião. Ex-muçulmanos podem sofrer pena de morte se forem descobertos.
Pregar a muçulmanos é proibido. Os que se convertem encontram a oposição das autoridades e também de grupos extremistas, que ameaçam os “apóstatas" de morte, se não se retratarem.
8- Mauritânia :
informacoes-iemen-2A situação na Mauritânia deteriorou-se gravemente em 2009 devido ao assassinato de um agente social cristão em junho de 2009; à prisão e de 35 cristãos mauritanos no mesmo mês; e a detenção de um grupo de 150 cristãos subsaarianos em agosto, por realizar seu próprio culto (essas reuniões só são permitidas a algumas igrejas católicas e protestantes).
A autoria do assassinato foi reclamado pela al-Qaeda no Magreb, um grupo terrorista da origem argelina ligado à al-Qaeda. A polícia, entretanto, foi responsável pela detenção e tortura dos cristãos mauritanos e subsaarianos.
A Constituição do país o define como república islâmica e reconhece o islamismo como a religião dos cidadãos e do Estado. O governo limita a liberdade de religião proibindo a impressão e distribuição de materiais religiosos não-islâmicos e a evangelização de muçulmanos.
9- Laos :
Adventist-Buddhist-1A igreja é relativamente pequena, mas continua a crescer. Há cerca de 200 mil cristãos, a maior parte pertence a minorias étnicas.
Não houve melhora na liberdade religiosa do país em 2009.
A perseguição no Laos inclui algumas restrições na legislação. A atitude do governo é negativa e restritiva em relação aos cristãos – todos são estritamente vigiados por serem considerados agentes dos EUA para trazer a democracia ao Laos.
A Igreja não pode funcionar livremente e suas atividades sociais são limitadas.
Os cristãos são diminuídos na família e na aldeia. A pessoa que renuncia o culto a espíritos sofre grande pressão social.
Algumas vezes, os cristãos são detidos, e muitos experimentam abuso físico e emocional para renunciar a nova fé. Em 2009, dois cristãos foram mortos; outros 21 foram detidos sem julgamento.
Cristãos têm sido fisicamente agredidos regularmente, e um pequeno número de igrejas foi destruído ou danificado. Apesar do alto nível de perseguição no Laos, há muitas atividades não-registradas e a Igreja parece crescer.
10 - Uzbequistão :
540x350_uzbequistaoA liberdade religiosa no Uzbequistão deteriorou-se durante o ano passado. A atmosfera ficou mais anti-protestante. Isso ficou evidente no aumento de invasões a cultos cristãos e no confisco de livros. Muitos cristãos foram presos e multados, líderes foram interrogados e sofreram abuso físico e mental em delegacias.
Parentes de cristãos usam o abuso físico para pressioná-los a se converter ao islamismo.
Outro sinal de mudança é o fato de as autoridades usarem os meios de comunicação para difamar os cristãos. Foi exibido um documentário na televisão, originalmente transmitido no maio de 2008, denominado “Nas garras da ignorância”. No filme, os cristãos são retratados de modo negativo, identificados com seitas e descritos como satanistas.
Cristãos ativos na igreja foram acusados de drogar e dinheiro para atrair pessoas ao cristianismo. O programa também afirmou que a “seita protestante” tenta atrair crianças.
O documentário foi reprisado várias vezes, mais recentemente em setembro de 2009, e já foi lançado em DVD. O impacto foi intimidador, resultando em sentimentos anti-cristãos.
Apesar da perseguição, a Igreja no Uzbequistão continua a crescer. Muitos cristãos procuram formas de pregar o evangelho. Eles enfrentam muitos obstáculos – por exemplo, a pregação e o louvor na língua uzbeque são proibidos, e as comunidades não podem obter o registro. Sem ele, as reuniões são ilegais.

No arquipélago das Maldivas, o islamismo é a religião oficial e todos os cidadãos devem ser muçulmanos.